O AQUEDUTO DE SANTO ANTÃO DO TOJAL | Um artigo de Florbela Estevão no Notícias de Loures

“Este monumento do nosso património reúne em si vários pontos de interesse: não só é uma obra classificada como Monumento de Interesse Público, que importa por isso salvaguardar e valorizar, como constitui, ainda hoje, apesar de “interrompido” nalguns pontos, um marco assinalável na paisagem pela sua imponência. Ele remete-nos, evidentemente, para o uso da água, e para as múltiplas nascentes que caraterizam esta zona do território do concelho de Loures, designada há muito tempo como a Serra de Água.”

Ler mais: http://www.adaloures.pt/news/o-aqueduto-de-santo-antao-do-tojal-um-artigo-de-florbela-estevao-no-noticias-de-loures/

ZONA ESPECIAL DE PROTECÇÃO DA QUINTA DE VALFLORES

Na sequência do Anúncio nº 189/2017, A ADAL emitiu parecer no âmbito da Consulta Pública relativo à revisão da Zona Especial de Proteção da Quinta de Valflores, em Santa Iria de Azoia.

No sentido de assegurar a salvaguarda e valorização da Quinta de Valflores, e na perspetiva da sua reclassificação como Monumento Nacional, a ADAL considera que será de maior interesse o desenvolvimento de um Plano de Pormenor de Salvaguarda para o local.

PARECER:

Proposta de revisão, de acordo com o nº2 do artigo 77.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, de 23 de outubro, da zona especial de proteção (ZEP) da Quinta de Valflores, em Santa Iria de Azoia, União das Freguesias de Santa Iria de Azoia, São João da Talha e Bobadela, concelho de Loures, distrito de Lisboa, fixada pela Portaria n.º 129/99, publicada no DR, II Série, n.º 35, de 11 de fevereiro

Novembro de 2017

Parecer da ADAL – Associação de Defesa do Ambiente de Loures

Relativamente à redefinição de uma zona de proteção para a Quinta de Valflores, com a designação de dois zonamentos (zona 1 e 2), a ADAL manifesta concordância genérica com a proposta apresentada.

Consideramos que as medidas expostas no documento, nomeadamente com a inclusão de uma zona de sensibilidade arqueológica, favorecem um conjunto de ações de salvaguarda e valorização do bem classificado em análise e sua envolvente.

Não obstante a concordância geral, consideramos que a fundamentação para a obliteração da “área non aedificandi” exposta no ponto 7.5.1 a) carece de fundamentação e mesmo de pertinência, designadamente focando os instrumentos de gestão territorial e de defesa do património que constituem as alternativas à salvaguarda que o documento legal visa assegurar. Somos portanto de parecer que deve ser mantida a “área non aedificandi” adequada.

Assinalamos a importância da inclusão da ideia de desenvolvimento do processo de salvaguarda e valorização da Quinta de Valflores, nomeadamente com a alteração da classificação de Imóvel de Interesse Público para Monumento Nacional. A ADAL propõe que na fase de reclassificação deste bem patrimonial se alarguem os limites da zona classificada, de modo a incorporar as estruturas hidráulicas preexistentes, já inventariadas e localizadas junto ao curso de água.

 

 

ADAL adopta novas causas | PAUL DAS CANICEIRAS e AQUEDUTOS DE SANTO ANTÃO DO TOJAL

ADAL adopta novas causas

PAUL DAS CANICEIRAS

AQUEDUTOS DE SANTO ANTÃO DO TOJAL

Precisam de impulso requalificador

Os Orgãos Directivos da ADAL- Associação de Defesa do Ambiente de Loures reunidos oportunamente em S. Julião do Tojal, Concelho de Loures, consideraram que o Paul das Caniceiras e os Aquedutos de Santo Antão do Tojal, exigem o empenho da sociedade civil e dos poderes públicos em ordem à sua preservação e requalificação.

Assim, a partir da tomada de posse dos novos órgãos autárquicos eleitos, a Associação ambientalista e de defesa do Património, desencadeará iniciativas junto das autarquias e do governo, tendo em vista o desenvolvimento de projectos e respectivo financiamento tendo em vista:

1. Recuperar, qualificar e conferir natureza didáctica e de local da biodiversidade ao Paul das Caniceiras;

2. Retomar, prosseguir e concluir as acções de recuperação do Património do conjunto setecentista de Santo Antão do Tojal, designadamente, os Aquedutos, Rua dos Arcos e Palácio-Fonte.

A ADAL, conta encontrar nestas diligências, o apoio dos poderes local e central, bem como das populações do Concelho de Loures, junto de quem desenvolverá ainda iniciativas de informação e conhecimento, destas importantíssimas referências do Município, ainda insuficientemente conhecidas e valorizadas.

Posição Pública | ADAL adopta novas causas

ADAL adopta novas causas

PAUL DAS CANICEIRAS

AQUEDUTOS DE SANTO ANTÃO DO TOJAL

Precisam de impulso requalificador

Os Orgãos Directivos da ADAL- Associação de Defesa do Ambiente de Loures reunidos oportunamente em S. Julião do Tojal, Concelho de Loures, consideraram que o Paul das Caniceiras e os Aquedutos de Santo Antão do Tojal, exigem o empenho da sociedade civil e dos poderes públicos em ordem à sua preservação e reaqualificação.

Assim, a partir da tomada de posse dos novos órgãos autárquicos eleitos, a Associação ambientalista e de defesa do Património, desencadeará iniciativas junto das autarquias e do governo, tendo em vista o desenvolvimento de projectos e respectivo financiamento tendo em vista:

1. Recuperar, qualificar e conferir natureza didáctica e de local da biodiversidade ao Paul das Caniceiras;

2. Retomar, prosseguir e concluir as acções de recuperação do Património do conjunto setecentista de Santo Antão do Tojal, designadamente, os Aquedutos, Rua dos Arcos e Palácio-Fonte. 

A ADAL, conta encontrar nestas diligências, o apoio dos poderes local e central, bem como das populações do Concelho de Loures, junto de quem desenvolverá ainda iniciativas de informação e conhecimento, destas importantíssimas referências do Município, ainda insuficientemente conhecidas e valorizadas.