MONUMENTOS E SÍTIOS EM LOURES suscitam preocupação

O dia 18 de Abril é Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, em Ano Europeu do Património Cultural.

A ADAL volta a assinalar, neste dia internacional do património, preocupações com
Monumentos e Sítios do Município de Loures.

Devem ser salientados os seguintes elementos patrimoniais e os riscos que sobre eles
impendem:

Estação Paleolítica do Casal do Monte – Santo António dos Cavaleiros
– em Processo de desclassificação;
Classificada como IIP – Imóvel de Interesse Público, esta Estação Paleolítica esta
inexplicavelmente sob proposta de desclassificação “por ter sido destruída há várias
décadas para construção da Cidade Nova”. É, portanto, um caso acabado de benefício
do infractor em que o património colectivo é destruído em prol de interesses
particulares e ainda beneficia da libertação de ónus materiais, morais e éticos da sua
conduta.

A ADAL exige à Direcção Geral do Património Cultural, ao Governo e à Câmara
Municipal de Loures, outra atitude e pro-actividade em relação aos danos irreversíveis
ali praticados, bem como a compensação possível para assinalar, evidenciar e valorizar
as estruturas e descobertas ali feitas.

Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém, que se mantém sem a
devida e justificada classificação patrimonial, encontra-se em estado de absoluta
decadência promovida pela irresponsabilidade urbanística da Câmara Municipal de
Loures em 2008 e conduta irresponsável, senão mesmo dolosa, do promotor
imobiliário que entrou em processo de falência.

Impõe-se uma intervenção urgente da Direcção Geral do Património Cultural e uma
actuação urbanística completamente diferente do actual Executivo Municipal que
salvaguarde este património único e riqueza do país.

Monumento Megalítico (Anta) de Casaínhos, em Fanhões
Classificado como MN – Monumento Nacional, encontra-se em terreno privado, sob
risco de que os actuais herdeiros da propriedade desvalorizem ainda mais o Sítio e que
possam ter lugar tentações de destruição completa;
A ADAL iniciará imediatamente diligências junto da Direcção Geral do Património
Cultural em ordem a que o Estado aja rapidamente para a preservação do Monumento
e na sua valorização

No Castelo de Pirescoxe em Santa Iria de Azóia, continuam a faltar as obras de
consolidação final de parte da sua muralha, ao mesmo tempo que se acentua a
degradação das instalações inicialmente recuperadas. Relativamente aos usos que se
observam e à forma como o concessionário da cafetaria se apropria do espaço,
incompatíveis com a dignidade que o equipamento merece, com a qualidade que pode
conferir à própria urbanização onde se insere, e com os discurso e prática de
valorização do Património Cultural Edificado, de que esta estrutura cultural poderia ser
um bom exemplo;

A ADAL contesta e lamenta profundamente o estado de degradação geral, desleixo e
atentatório do património cultural construído do Concelho de Loures e, de novo, alerta
para o alheamento, desinteresse e desrespeito a que os Governos têm votado o
património, contra os interesses locais e do país.

Recordamos que há já perdas irrecuperáveis em inúmeros Monumentos e Sítios.

E que não se invoquem problemas económicos. Na maioria destes casos patrimoniais,
a sua recuperação e usufruto seriam solução e não um problema. O património pode e
deve ser usado, com retorno económico que garanta a sua sustentabilidade.

A ADAL desencadeará todas as diligências ao seu alcance junto do Ministério da
Cultura para atalhar e reverter estas situações inconcebíveis num país democrático,
europeu e no Século XXI.

Dia Mundial da Árvore | 21 de Março

COMEMORAR PARA CONSCIENCIALIZAR
Dia Mundial da Árvore | 21 de Março

Evidenciar o Arvoredo de Interesse Público no Concelho de Loures

Neste dia Mundial da Árvore é recorrente recordarmos e refletirmos quanto à importância das árvores e da floresta. E de facto continua a ser pertinente sensibilizar para o valor das árvores e da floresta na manutenção da vida na Terra.

As árvores, seres vivos com riqueza, diversidade e caraterísticas únicas, têm atributos múltiplos na preservação ambiental. Referimo-nos a aspetos facilmente  observáveis como o ensombramento, as flores/frutos/sementes, a madeira/resina/casca, mas também a detalhes mais técnicos, se ponderarmos quanto à regularização da temperatura, à riqueza da biodiversidade, à redução da poluição sonora e do ar, à melhoria das condições dos solos, atingindo ainda particularidades científicas como serem produtoras de oxigénio e sumidouros de dióxido de carbono, permitindo contribuir para a redução do aquecimento global do planeta.

E porque a história das árvores, para lá das qualidades já evidenciadas, também se conta a partir da sua idade, tamanho, beleza, adquire uma riqueza ainda maior quando a sua história tem ligações às pessoas e ao território. Nesta efeméride, oportunidade para destacar dois exemplares no concelho de Loures classificados enquanto Arvoredo de Interesse Público(1).  Referimo-nos a árvores com localização isolada, porém com referência suficiente para reunir as autoridades locais e a população em torno da sua classificação, defesa e notoriedade.
A merecer um olhar atento, a ADAL apresenta:

• A Oliveira Milenar, Olea europea L. var. europaea, com 2850 anos. Localizada no Bairro da Covina, em Santa Iria da Azóia.

• O Carvalho-Português ou Cerquinho, Quercus faginea Lambert, árvore centenária. Localizada no Casal do Tufo – Fontelas, na Freguesia de Lousa.

E recomenda, oportunamente, uma visita. A longevidade e imponência destas árvores merecem a nossa deferência, atenção, protecção e valorização!

Loures, 21 de Março de 2018

 

(1) O Arvoredo de Interesse Público compreende exemplares isolados ou conjuntos arbóreos que, pela sua representatividade, raridade, porte, idade, historial, significado cultural ou enquadramento paisagístico, possam ser considerados de relevante interesse público e se recomenda a sua cuidadosa conservação.

Posição Pública – ADAL saúda Fanhões, CAPITAL DO CALCETEIRO

Posição Pública – ADAL saúda Fanhões, CAPITAL DO CALCETEIRO

Os Órgãos Directivos da ADAL- Associação de Defesa do Ambiente de Loures, reunidos oportunamente em Loures, decidiram apresentar públicas saudações à Junta de Freguesia de Fanhões pela sua iniciativa de proclamar Fanhões, Capital do Calceteiro.

A iniciativa tem a maior relevância para a valorização do património construído daquela freguesia, mas também para o património imaterial, a memória colectiva, o valor do trabalho, a arte e o ofício.

Importa recordar que a calçada portuguesa – que é motivo de orgulho em Lisboa e referência de Portugal no Mundo – foi, na sua maioria, executada por gente de Fanhões, pelo que se entende que faz todo o sentido homenagear o labor, o saber-fazer, a dedicação, a profissão, mas sobretudo as pessoas.

A ADAL releva ainda o esforço que vem sendo desenvolvido pela Freguesia no propósito da preservação, salvaguarda e valorização do património rural local, tarefa a que a Associação emprestará toda a colaboração que esteja ao seu alcance.

DIA MUNDIAL DAS ZONAS HÚMIDAS – Em 2018, o Paul das Caniceiras é CA(U)SA da ADAL!

Neste dia em que se assinala o Dia Mundial das Zonas Húmidas, a ADAL reforça a sua preocupação relativa aos territórios com estas características no Concelho e a necessidade de serem recuperados nas múltiplas valorizações compatíveis com as características dos respectivos ecossistemas.

A natureza dotou o Concelho de Loures de importantes zonas húmidas: a zona dos Salgados em Santa Iria de Azóia, a área de sapal na frente ribeirinha do Tejo ou os pauis na várzea de Loures, e qualquer uma delas justificaria uma atenção especial devido aos perigos que as afectam e ameaçam.

Em 2018, o Paul das Caniceiras é CA(U)SA da ADAL!

Já nos anos de 2007 e de 2011, a ADAL emitiu Posições Públicas a respeito do Paul das Caniceiras. Infelizmente, a ausência de alterações positivas e, consequentemente, de medidas concretas com vista à sua protecção e conservação, mantêm esta zona húmida no centro das nossas preocupações e alertas.

O Paul das Caniceiras – localizado na Várzea de Loures, na freguesia de Santo Antão do Tojal – está classificado enquanto zona húmida. O seu ecossistema é rico, porém sensível, vulnerável e extremamente ameaçado. Zona de terrenos alagadiços com cerca de 14 hectares, é um importante refúgio – de nidificação e alimentação – para diversas espécies de aves aquáticas (inventariadas na Diretiva Aves), algumas em perigo de extinção, como para outra fauna, com destaque para a presença da “Boga-de-Lisboa” (Chondrostoma olisiponensis), espécie descoberta já neste século e descrita em 2007.

As ameaças a este habitat em concreto não são recentes nem desconhecidas. (Ler abaixo Posições Públicas anteriores)

Por isso se volta a colocar em agenda, com preocupação acrescida, o Dia Mundial das Zonas Húmidas.

A ADAL reafirma a PROTECÇÃO e VALORIZAÇÃO do PAUL DAS CANICEIRAS em defesa do ambiente, em prol da biodiversidade e pelo interesse em dotar o espaço de funções de lazer e turísticas!

Posição Pública 2007

Posição Pública 2011

Posição Pública 2017