MONUMENTOS E SÍTIOS EM LOURES suscitam preocupação

O dia 18 de Abril é Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, em Ano Europeu do Património Cultural.

A ADAL volta a assinalar, neste dia internacional do património, preocupações com
Monumentos e Sítios do Município de Loures.

Devem ser salientados os seguintes elementos patrimoniais e os riscos que sobre eles
impendem:

Estação Paleolítica do Casal do Monte – Santo António dos Cavaleiros
– em Processo de desclassificação;
Classificada como IIP – Imóvel de Interesse Público, esta Estação Paleolítica esta
inexplicavelmente sob proposta de desclassificação “por ter sido destruída há várias
décadas para construção da Cidade Nova”. É, portanto, um caso acabado de benefício
do infractor em que o património colectivo é destruído em prol de interesses
particulares e ainda beneficia da libertação de ónus materiais, morais e éticos da sua
conduta.

A ADAL exige à Direcção Geral do Património Cultural, ao Governo e à Câmara
Municipal de Loures, outra atitude e pro-actividade em relação aos danos irreversíveis
ali praticados, bem como a compensação possível para assinalar, evidenciar e valorizar
as estruturas e descobertas ali feitas.

Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém, que se mantém sem a
devida e justificada classificação patrimonial, encontra-se em estado de absoluta
decadência promovida pela irresponsabilidade urbanística da Câmara Municipal de
Loures em 2008 e conduta irresponsável, senão mesmo dolosa, do promotor
imobiliário que entrou em processo de falência.

Impõe-se uma intervenção urgente da Direcção Geral do Património Cultural e uma
actuação urbanística completamente diferente do actual Executivo Municipal que
salvaguarde este património único e riqueza do país.

Monumento Megalítico (Anta) de Casaínhos, em Fanhões
Classificado como MN – Monumento Nacional, encontra-se em terreno privado, sob
risco de que os actuais herdeiros da propriedade desvalorizem ainda mais o Sítio e que
possam ter lugar tentações de destruição completa;
A ADAL iniciará imediatamente diligências junto da Direcção Geral do Património
Cultural em ordem a que o Estado aja rapidamente para a preservação do Monumento
e na sua valorização

No Castelo de Pirescoxe em Santa Iria de Azóia, continuam a faltar as obras de
consolidação final de parte da sua muralha, ao mesmo tempo que se acentua a
degradação das instalações inicialmente recuperadas. Relativamente aos usos que se
observam e à forma como o concessionário da cafetaria se apropria do espaço,
incompatíveis com a dignidade que o equipamento merece, com a qualidade que pode
conferir à própria urbanização onde se insere, e com os discurso e prática de
valorização do Património Cultural Edificado, de que esta estrutura cultural poderia ser
um bom exemplo;

A ADAL contesta e lamenta profundamente o estado de degradação geral, desleixo e
atentatório do património cultural construído do Concelho de Loures e, de novo, alerta
para o alheamento, desinteresse e desrespeito a que os Governos têm votado o
património, contra os interesses locais e do país.

Recordamos que há já perdas irrecuperáveis em inúmeros Monumentos e Sítios.

E que não se invoquem problemas económicos. Na maioria destes casos patrimoniais,
a sua recuperação e usufruto seriam solução e não um problema. O património pode e
deve ser usado, com retorno económico que garanta a sua sustentabilidade.

A ADAL desencadeará todas as diligências ao seu alcance junto do Ministério da
Cultura para atalhar e reverter estas situações inconcebíveis num país democrático,
europeu e no Século XXI.

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2017 já disponível para consulta

No ano de 2017 verificou-se um nível de cumprimento satisfatório do plano de actividades e, nalguns casos, foi possível ir mais longe do que se havia previsto.

Destaca-se, assim:

CONSOLIDAÇÃO ASSOCIATIVA E FUNCIONAMENTO

• As acções de recrutamento de novos sócios foram em reduzido número e pouco intensas,
o que se traduziu na adesão de apenas um novo sócio no ano em causa e exige uma
actuação mais determinada neste domínio nos próximos anos.

• O investimento na celebração do aniversário foi deliberadamente reduzido, tendo em
vista o 10o aniversário, a assinalar em Janeiro de 2018. Assim, grande parte da preparação
desse momento especial decorreu no último trimestre do ano de 2017.
o Na preparação das comemorações do 10o aniversário, foi adoptada uma
adaptação temporária do símbolo da associação à efeméride:

Foi realizada em 16 de Março a Assembleia Geral Ordinária, na qual se aprovou o
Relatório e Contas de 2016, para além da eleição dos aspectos Positivos e Negativos
de 2016 nos domínios do Ambiente e do Património.

• O ano de 2017, permitiu ainda a solução do problema da “sede”, após variadíssimos
contactos com a Câmara Municipal de Loures, a criação do Espaço A pela autarquia para
apoio ao movimento associativo, viabilizou a solução que melhor correspondia aos
interesses da Associação, permitindo um espaço de reuniões e uma área para arrumação
de arquivo e outros bens da ADAL.

• Realizaram-se reuniões descentralizadas dos Orgãos Sociais:
o Abril > Nas instalações dos Bombeiros Voluntários de Bucelas
o Setembro > Nas instalações da Junta de Freguesia em S. Julião do Tojal

 

COMUNICAÇÃO/DIVULGAÇÃO

• Foi desencadeado e desenvolvido o processo de mudança do e-sítio da Associação em
ordem à apresentação pelo 10o aniversário de uma imagem renovada que proporcione
melhor relação com os associados e o público em geral. Em Maio, foi decidida a aquisição
de serviços à empresa Algoritmo;

• Incrementou-se a utilização do perfil do Facebook, com importantes resultados de
notoriedade da ADAL e de algumas das suas actividades;

• Deu-se continuidade à edição mensal do Boletim Linha de Defesa, ao longo dos 12 meses
do ano, com os conteúdos editoriais a serem partilhados e decididos pelo conjunto dos
órgãos sociais.

• Recorreu-se ainda ao Portal do Movimento Associativo de Loures, para divulgação das
iniciativas desenvolvidas.

 

RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

No âmbito das relações institucionais, a ADAL participou ou disponibilizou-se a participar:
• Conselho Municipal do Associativismo
• Conselho Consultivo da Várzea e Zonas Costeiras de Loures
• Comissão Local de Acompanhamento da Valorsul
• Parceria com a Câmara Municipal de Loures no âmbito do processo de reabilitação da
Quinta e Palácio de Valflores

Quanto ao Conselho Municipal do Associativismo haverá a destacar a participação no “grupo de trabalho para a reflexão sobre o Associativismo no Concelho de Loures” que produziu um importante documento denominado “Repertório para a Inovação e Boas Práticas Associativas”.

Por seu lado, o processo de reabilitação da Quinta e Palácio de Valflores viu aprovada a
candidatura ao POR Lisboa para a consolidação do Palácio como primeiro passo para uma futura e completa recuperação. No âmbito da parceria, a ADAL, desenvolveu várias iniciativas, designadamente uma visita organizada à Quinta de Valflores e a definição de um percurso pedestre entre este espaço patrimonial e o Castelo de Pirescoxe. A Associação elaborou ainda parecer sobre a “Consulta Pública Revisão da ZEP da Quinta de Valflores: Parecer foi enviado à DGPC com conhecimento da CM Loures”.

Relativamente às instituições da Administração Central, cumpriu-se o envio anual de informação ao Instituto Nacional de Estatística e à Agência Portuguesa de Ambiente, neste caso com a finalidade de manutenção do estatuto de ONGA.

 

PROGRAMA LINHA DE DEFESA

Este Programa enquadra vários Projectos (Eco-Alerta, Retrato Ambiental de Loures, Acções de Informação e Sensibilização, Acções de advertência e acompanhamento, Positivo e Negativo do ano).

Eco-Alerta
Foram recebidas e encaminhadas/esclarecidas nove denúncias e alertas relativos a problemas ambientais, mantendo-se um número de situações reportadas aquém do que seria de esperar.

Retrato Ambiental de Loures
Registou-se o que pode considerar-se uma baixa participação, não obstante os esforços de
divulgação encetados. Trata-se de uma iniciativa a merecer nova reflexão relativamente ao seu modelo e expressão.

ACÇÕES DE ADVERTÊNCIA, INFORMAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO
Debate com as candidaturas municipais às Eleições Autárquicas de 2017
Realizou-se no dia 24 de Junho no Auditório da Associação Luís Pereira da Mota com
representantes do Bloco de Esquerda, Coligação Democrática Unitária, Coligação Primeiro Loures e Partido Socialista, contando-se com a colaboração do Jornal Notícias de Loures e da Rádio Horizonte FM. Significativo o facto de ter sido o único debate público entre as candidaturas.

Fórum do Património 2017
Organizado por GECoRPA – Grémio do Património realizou-se em 10 de Abril o Fórum do
Património 2017 – Unir as ONG em Defesa da nossa Herança Comum no qual a Associação esteve representada com a apresentação de uma comunicação.

Seminário “Sociedade e Inovação. Uma participação activa da comunidade local em matéria de ambiente”
Organizado pela Câmara Municipal de Loures, no dia 5 de Junho no Palácio Marqueses da Praia. Representou a ADAL com uma comunicação o Presidente da Direcção.

Positivo e Negativo do Ano
Foram escolhidos, na Assembleia Geral Ordinária de 16 de Março, os seguintes aspectos Positivos e Negativos, referentes ao ano 2016:

POSITIVO NEGATIVO

AMBIENTE

✓ Abertura ao público do Parque Urbano da Quinta dos Remédios
Destinatários: CM Loures e IST

✓ Projeto para a regularização Fluvial e Controlo de Cheias da Ribeira do Prior Velho –
Reconstrução do Caneiro de Sacavém
Destinatários: CM Loures e Ministério do Ambiente

✓ Estado degradado do Parque Urbano de Santa Iria de Azóia
Destinatário: CM Loures

PATRIMÓNIO

✓ Candidatura para consolidação estrutural do Palácio de Valflores
Destinatário: CM Loures

✓ Abertura do Núcleo Museológico Mário Roberto
Destinatário: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Bucelas

✓ Acentuado desaparecimento das artes e ofícios tradicionais no Concelho de Loures
Destinatários: Ministério da Economia, Ministério da Cultura e CM Loures

✓ Destruição parcial dos lavadouros de Fanhões
Destinatário: Junta de Freguesia de Fanhões

Os certificados Positivo e Negativo 2016 foram remetidos às entidades destinatárias no âmbito do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) e a iniciativa de entrega dos certificados mereceu a emissão de uma Informação Pública.

Comunicados, Posições/Informações Públicas com divulgação nos órgãos do comunicação social de expressão nacional e local, bem como sócios e grupo de destinatários do nosso Boletim mensal, para além do executivo municipal e, conforme as situações, executivos de Freguesias ou Assembleia Municipal:
• Posição sobre a Central Nuclear de Almaraz > Janeiro
• Ofício ao Presidente da Câmara Municipal de Loures sobre a situação na Quinta da
Francelha – Prior-Velho > Fevereiro
• Posição sobre a situação do Bairro de S. Francisco – Camarate > Março
• Informação respeitante ao Debate organizado com candidatos municipais às eleições
autárquicas 2017 > Junho

PERSPECTIVAS PARA 2018
Mantendo-se o rumo quanto aos projectos e a linha de intervenção dos últimos anos, a Direcção considera ser de diversificar, reforçar e inovar quanto às estratégias de aproximação e eficácia na comunicação com os munícipes. Reconhecendo que esta é uma tarefa difícil entende-se que se deve estar atento e continuara a procurar os meios e ferramentas para obter melhores resultados neste domínio.

O acompanhamento de processos do âmbito da gestão do território, sobretudo nas suas
dimensões ambiental e cultural, continuará a merecer a maior atenção por parte da ADAL, quer por via da manutenção da relação institucional com a Câmara Municipal de Loures, pelas importantes competências que detém em matéria de gestão do território, quer através dos projectos enquadrados no programa Linha de Defesa.

Nesse sentido, em Setembro de 2017, os órgãos sociais decidiram adoptar para impulsionar em 2018 as “novas causas”:

i. Ambiente: Paul das Caniceiras
ii. Património: Aquedutos de Santo Antão do Tojal e Rua dos Arcos

A Associação perspectiva também manter uma participação activa nas instâncias para que está convidada, nomeadamente o Conselho Municipal do Associativismo, a Comissão Local de Acompanhamento da Valorsul, o Conselho Consultivo da Várzea e Costeiras de Loures, ou outros que se venham a constituir-se, por iniciativa a autarquia ou de outras entidades, e que se considerem pertinentes, no quadro dos objetivos da ADAL.

A ADAL procurará igualmente estar mais disponível para outro relacionamento com as
associações congéneres e os seus mecanismos associativos e/ou federativos.

Impor-se-á uma análise e reflexão para actuação concreta em torno do documento “repertório para a inovação e boas práticas associativas” do Conselho Municipal do Associativismo.

Dia Mundial da Árvore | 21 de Março

COMEMORAR PARA CONSCIENCIALIZAR
Dia Mundial da Árvore | 21 de Março

Evidenciar o Arvoredo de Interesse Público no Concelho de Loures

Neste dia Mundial da Árvore é recorrente recordarmos e refletirmos quanto à importância das árvores e da floresta. E de facto continua a ser pertinente sensibilizar para o valor das árvores e da floresta na manutenção da vida na Terra.

As árvores, seres vivos com riqueza, diversidade e caraterísticas únicas, têm atributos múltiplos na preservação ambiental. Referimo-nos a aspetos facilmente  observáveis como o ensombramento, as flores/frutos/sementes, a madeira/resina/casca, mas também a detalhes mais técnicos, se ponderarmos quanto à regularização da temperatura, à riqueza da biodiversidade, à redução da poluição sonora e do ar, à melhoria das condições dos solos, atingindo ainda particularidades científicas como serem produtoras de oxigénio e sumidouros de dióxido de carbono, permitindo contribuir para a redução do aquecimento global do planeta.

E porque a história das árvores, para lá das qualidades já evidenciadas, também se conta a partir da sua idade, tamanho, beleza, adquire uma riqueza ainda maior quando a sua história tem ligações às pessoas e ao território. Nesta efeméride, oportunidade para destacar dois exemplares no concelho de Loures classificados enquanto Arvoredo de Interesse Público(1).  Referimo-nos a árvores com localização isolada, porém com referência suficiente para reunir as autoridades locais e a população em torno da sua classificação, defesa e notoriedade.
A merecer um olhar atento, a ADAL apresenta:

• A Oliveira Milenar, Olea europea L. var. europaea, com 2850 anos. Localizada no Bairro da Covina, em Santa Iria da Azóia.

• O Carvalho-Português ou Cerquinho, Quercus faginea Lambert, árvore centenária. Localizada no Casal do Tufo – Fontelas, na Freguesia de Lousa.

E recomenda, oportunamente, uma visita. A longevidade e imponência destas árvores merecem a nossa deferência, atenção, protecção e valorização!

Loures, 21 de Março de 2018

 

(1) O Arvoredo de Interesse Público compreende exemplares isolados ou conjuntos arbóreos que, pela sua representatividade, raridade, porte, idade, historial, significado cultural ou enquadramento paisagístico, possam ser considerados de relevante interesse público e se recomenda a sua cuidadosa conservação.