Um Olhar por Dentro … do Núcleo Museológico Luís Serra

A ADAL organiza uma visita ao Núcleo Museológico Luís Serra, na Bemposta*, no dia 24 de novembro – sábado – às 15 horas.

Núcleo Museológico Luís Serra é um espaço dedicado à preservação e divulgação do folclore da região saloia de Loures, resultante da atividade de recolha, estudo e salvaguarda dos costumes tradicionais por parte do Rancho de Folclore e Etnografia “Os Ceifeiros da Bemposta”.

O acervo expositivo deste núcleo museológico integra peças raríssimas do quotidiano saloio, apresentando peças de traje, algumas com mais de um século, alfaias e transportes agrícolas, louças e mobílias.

Contamos com a vossa participação!

ADAL no âmbito da sua missão de defesa do equilíbrio ambiental e do património cultural!

Inscrições gratuitas aqui ou para o email adaloures@gmail.com até dia 22 de novembro

* Morada: Rua da Capela, 1, na Bemposta, freguesia de Bucelas

Vamos Conhecer o Património de Santo Antão do Tojal

O convite foi lançado e os amigos da ADAL aceitaram-no! Obrigada pela Vossa companhia!

Numa manhã típica de Outono, com sol e chuva a espreitarem por entre as nuvens altas, este grupo de 25 pessoas ouviu as histórias e factos narrados por José Júlio Morais, Comissário de Turismo de Santo Antão do Tojal, ex-Presidente desta autarquia, freguês e morador, conhecedor, defensor e apaixonado pelo valioso património desta freguesia de Loures.

Neste percurso pedestre de cerca de 2 horas, em ritmo de passeio e conversa informal, houve tempo para conhecer figuras chaves da terra – como Avelar Brotero e Augusto Dias da Silva – para visitar património cultural e patrimonial – como o Cruzeiro, a Igreja Matriz, o Palácio dos Arcebispos, o Palácio Fonte-Monumental, o Chafariz dos Arcos, entre outros – para perceber o esforço de valorização patrimonial no qual também a população se envolveu e ainda para observar e fotografar estes registos de identidade local.

Reiteramos os agradecimentos ao nosso guia pela agradável manhã e deixamos um agradecimento especial também à Junta de Freguesia de Santo Antão do Tojal, que apoiou esta visita e brindou todos os participantes com um mapa roteiro da freguesia, para que a memória do património perdure.

Esta é uma das freguesias que é insensato e despropositado acabar ou integrar noutra. Perder-se-ia o sentido da história e séculos de referências.

Dia Mundial dos Rios – Frente Ribeirinha do Tejo

ADAL lembra que Loures também tem Tejo e assinala que o Governo para além de calamidade económica e social, também é um atentado ambiental.

 

Após diversos contactos com os anteriores Ministros dos governos do PS e dos Vereadores do Ambiente da Câmara Municipal de Loures, com o propósito de salientar o estado de desqualificação e degradação por que vem passando a Frente Ribeirinha do Tejo, sem qualquer avanço na protecção e defesa da Frente Ribeirinha do Tejo em Loures, a ADAL procurou retomar os contactos com o actual Governo. A Sra. Ministra, um ano passado, não teve tempo, nem coragem, nem a educação de receber a ADAL ou de assumir que não lhe interessa o assunto.

Os contactos com as instâncias políticas que a ADAL tem desenvolvido, inscrevem-se em três objectivos:

  1. Sensibilizar as autoridades para os problemas da desqualificação territorial, ambiental e económica da Frente Ribeirinha do Tejo em Loures e a necessidade de intervenções urgentes mitigadoras dos impactos das actuais actividades;
  2. Salientar a importância da elaboração de um Plano de Ordenamento para a Frente Ribeirinha do Tejo, como instrumento de gestão sustentável do território e alavanca de protecção ambiental e de desenvolvimento económico equilibrado;
  3. Reunir sob os mesmos propósitos, o governo, as autarquias, as empresas e os cidadãos em ordem à valorização da frente Tejo nas suas diferentes dimensões, das económicas às lúdicas, das ambientais às turísticas.

Não se procuram projectos megalómanos, apoios financeiros, subsídios ou outros instrumentos incomportáveis à economia nacional ou local. Antes se exige simplesmente vontade política, criatividade e diálogo que promova a implementação de adequados mecanismos de gestão sustentável do território que defenda o Rio Tejo, a sua Frente Ribeirinha em Loures e os interesses e bem estar das populações e agentes económicos.

Á vontade dos cidadãos e ao interesse das empresas já manifestado, impõe-se uma resposta e envolvimento políticos do governo e da câmara municipal para uma acção conjunta frutífera, sem necessidade de recurso a meios económicos não disponíveis, nem exigências regulamentares desproporcionadas.

Ao ignorarem e desprezarem a disponibilidade e vontade dos cidadãos para uma acção concertada em prol da Frente Ribeirinha do Tejo em Loures, o Governo e a Câmara Municipal de Loures assumem-se como agentes activos da degradação ambiental e territorial e como uma nódoa neste Dia Mundial dos Rios.

A ADAL denuncia e condena publicamente esta atitude e convida os contribuintes e os eleitores a actuarem de forma democrática no afastamento das esferas do poder, dos políticos que assim se conduzem.