2011

31-12-2011 00:00

 

 

POSITIVO

NEGATIVO

AMBIENTE

Intervenção na Ribeira do Prior Velho

(Entidade: Simtejo).

Insuficiências e deficiências nos serviços de recolha de Resíduos Sólidos Urbanos

(Entidade: SMAS de Loures).

PATRIMÓNIO

Rota Histórica das Linhas de Torres, com particular ênfase para a inauguração do Percurso Pedestre Alrota – Arpim

(Entidade: CM Loures).

Enfraquecimento da dinâmica de programação cultural dos Museus Municipais, de que o fecho destes equipamentos aos domingos é um inquietante sinal.

(Entidade: CM Loures).

 

Hoje, 2 de Fevereiro, comemora-se o Dia Mundial das Zonas Húmidas

Esta data coincide com aquela em que, em 1971, foi assinada a Convenção de Ramsar (Irão) que define as zonas húmidas como “zonas de pântano, charco, turfeira ou água, natural ou artificial, permanente ou temporária, com água estagnada ou corrente, doce, salobra ou salgada, incluindo águas marinhas cuja profundidade na maré baixa não exceda os seis metros”.

As condições para a selecção destes sítios estão relacionadas com

  • Representatividade e unicidade do ecossistema;
  • Valores da fauna e flora;
  • Importância na conservação de aves aquáticas;
  • Importância na conservação de peixes

Sendo ecossistemas muito sensíveis, encontram-se gravemente ameaçados, a nível mundial, por circunstâncias de expansão urbanística, industrialização, intensificação da agricultura, pesca e piscicultura, caça ilegal, poluição, abandono e turismo desregulado, entre outros factores.

Em Portugal…

Em Portugal estão identificadas cerca de 50 zonas húmidas, mas só 28 preenchem os requisitos para integrarem a lista da Convenção sobre Zonas Húmidas: 16 em Portugal continental e 12 nos Açores. Estes locais já se encontram mencionados em http://www.ramsar.org/doc/sitelist.doc

Apesar de estarem definidas medidas para a sua protecção, estas zonas continuam a exigir uma atenção especial devido aos perigos que ainda as afectam.

(Fonte: Ponto focal da Convenção de Ramsar para Portugal – ICNB)

No concelho de Loures…

No concelho de Loures ainda existe um pequeno paul, o Paul das Caniceiras, que, apesar do insuficiente cuidado e pouca atenção que lhe têm sido dedicadas, ainda constitui um importante refúgio para diversas espécies de aves aquáticas.

O Paul das Caniceiras fica a cerca de 2 km a leste da Urbanização do Infantado, na Várzea de Loures, já na Freguesia de Santo Antão do Tojal. http://www.panoramio.com/photo/8360263

São vários os problemas que afectam e põem em risco este habitat, desde logo as contaminações por escorrências provenientes de terrenos agrícolas e das estradas situadas nas proximidades, as descargas pontuais de fossas, a sobre extracção de água para irrigação de áreas agricultadas…mas também a falta de reconhecimento do seu valor ambiental.

Perante as ameaças que esta zona húmida enfrenta, é realmente urgente e prioritária a adopção de medidas concretas com vista à conservação deste ecossistema, designadamente o cumprimento da legislação e das disposições regulamentares aplicáveis, o desenvolvimento de um plano de ordenamento e de gestão, a realização de intervenções de recuperação, que contemplem um usufruto regulado e sustentável por parte de visitantes, a par da divulgação, sensibilização e educação ambientais.

É portanto com grande esperança e expectativa que a ADAL acompanhará os desenvolvimentos, em Loures, das acções previstas no âmbito do Projecto Naturba (aprovado em Junho de 2009 e com conclusão em Novembro de 2011), o qual reconhece e prevê a valorização da singularidade paisagística e biológica desta zona húmida, no contexto da Várzea de Loures.

http://www.cm-loures.pt/doc/projectos/naturba/naturba.pdf

Se esta pequena zona húmida resistir às ameaças a que tem estado sujeita, poderá continuar a cumprir a sua.

Se bem gerida, poderá igualmente ser usufruída e valorizada enquanto importante ponto de observação de aves, e de desenvolvimento de actividades educativas e de lazer, na Natureza.

Não podemos perder esta oportunidade!

Neste Dia Mundial das Zonas Húmidas, a ADAL compromete-se a manter este assunto em agenda e apela a todos os munícipes para que se mantenham igualmente vigilantes.

2010

Acção Ponto de situação
 

Assembleia-Geral

Realizada em 6 de Abril de 2010 em Loures – Cineteatro.

Aprovado Relatório e Contas de 2009 e o Plano de Actividades para 2010.

Direcção Realizadas 11 reuniões de Direcção mais 1 reunião extraordinária em Maio sobre o PDM.
Site da ADAL Manutenção e actualização.
Sede para a ADAL Feito pedido às Juntas de Freguesia (Maio de 2010)
Relações institucionais Aprovado pela Câmara subsídio de 500,00€ (candidatura de 2009). Feita nova candidatura em Novembro de 2010.

Realizada reunião com o novo Presidente da Junta de Freguesia de São João da Talha (12.01.2010) a fim de apresentar a ADAL e sua actividade.

Realizada reunião com o novo vereador da Câmara, do Ambiente, em Janeiro de 2010 a fim de apresentar a ADAL e sua actividade.

Enviados ofícios a todos os eleitos da Câmara sobre a necessidade de actualização do Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo de Loures.

Participação em reunião promovida pela Câmara (19.10.2010) – alterações no regulamento de cedência de transportes.

Inscrição como ONGA Renovado o estatuto em Julho de 2010
Divulgação Divulgadas por e-mail as actividades agendadas. Sócios e comunicação social.

ADAL no Facebook.

Site da ADAL.

 

Projecto Frente Ribeirinha

Realizada reunião em Janeiro de 2010 com o novo vereador (Ricardo Lima).

Enviado ofício ao vereador em Novembro de 2010 reforçando a necessidade de se retomar o processo.

Projecto Positivo e Negativo de 2009 Aprovação pelos Sócios na Assembleia-Geral de Abril de 2010.

Divulgada Posição Pública.

Entrega dos Certificados em Junho de 2010.

Fusão Valorsul-Resioeste Em curso, acções conjuntas com Quercus e MPI-Cadaval (Plataforma).

Divulgadas quatro Posições Públicas da Plataforma.

Comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18 de Abril) Concretizado com divulgação de Posição Pública.
Comemoração do Dia Internacional dos Museus (18 de Maio) Concretizado com divulgação de Posição Pública.
Comemoração do Dia Mundial do Ambiente (5 de Junho) Concretizado com divulgação de Posição Pública e acção simbólica de entrega dos certificados Positivo e negativo 2009.
Comemorações do 4 de Outubro Concretizado com divulgação de Posição Pública e realização de uma sessão temática.
2011 – Ano Internacional das Florestas Divulgação de Posição Pública em 27 Dezembro de 2010
PDM de Loures Em curso preparação do parecer a dar no período de discussão pública.
Posições Públicas Divulgadas 10 Posições Públicas (7 no decurso do 1º Semestre e 3 no 2º Semestre) já referidas acima, nos temas a que estão associadas.
Participação no Projecto nacional Limpar Portugal Dinamização do processo no Concelho de Loures.
Percursos Pelos Trilhos do património e da natureza Realizados dois percursos (Linhas Defensivas de Torres e Património Natural – Ponte de Lousa e Lousa)
Sessões temáticas – Um Olhar por dentro Realizadas duas sessões (República e Consumo Responsável)

 

PATRIMÓNIO CONSTRUIDO DE LOURES NA RUINA

Assinalou-se ontem, 18 de Abril, o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

A este propósito, a ADAL, vem mais uma vez alertar para o estado de degradação geral do património cultural construído do Concelho de Loures, fruto do alheamento, desinteresse e desrespeito com que tem sido tratado pelas entidades responsáveis.

São disso exemplo:

Edifício 4 de Outubro em Loures, em acelerada degradação, no ano em que se comemora o Centenário da República;

Palácio de Valflores em Santa Iria de Azóia, embrulhado em ráfia, para deixar de se ver o estado lamentável em que encontra;

Castelo de Pirescoxe em Santa Iria de Azóia, onde faltam concluir as obras de consolidação de parte da sua muralha, ao mesmo tempo que se acentua a degradação das instalações inicialmente recuperadas;

Igreja de Santa Maria da Vitória em Sacavém, completamente desprezada;

Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém, em decadência e prestes a ser “sufocado” por mais uma urbanização;

Monumento Megalítico de Casaínhos em Fanhões, do qual a Câmara de Loures já nem apresenta foto no seu site na internet;

Quinta da Abelheira no Zambujal, São Julião do Tojal, deixada à sua sorte;

Paço Real de Frielas, estação arqueológica romana e medieval, sem evolução, nem acompanhamento especializado;

Quinta da Massaroca em São João da Talha, onde para além da decadência deve estar em preparação mais uma operação urbanística de larga escala;

Os Fortes e as Linhas de Torres em toda a zona norte do Concelho, com as intervenções a decorrerem a um ritmo que põe em causa o objectivo das mesmas e o usufruto por parte das populações.

E de um modo geral o património que segundo a Câmara de Loures está “classificado ou em vias de classificação”, e cujas referências podem ser encontradas em: http://www.cm-loures.pt/MiniPatrimonio/index.htm

Há já perdas irrecuperáveis em inúmeros destes e de outros monumentos do Concelho.

A ADAL teme que a voracidade urbanística que avassala o Concelho seja a principal aliada da inércia do IGESPAR e da Câmara de Loures, gerando-se as condições de abandono, decadência e derrocada de inúmeros espaços e edifícios do maior valor histórico, cultural e social.

A ADAL lamenta profundamente o estado de degradação do património construído no Concelho de Loures e apela à Câmara Municipal de Loures e ao IGESPAR, a urgente intervenção na preservação e salvaguarda deste património, expressão real da nossa identidade e memória colectiva.