ADAL comemora o Dia da TERRA

DIA DA TERRA é anualmente assinalado a 22 de Abril e tem como objectivo consciencializar sobre a protecção e a utilização sustentável dos recursos naturais do planeta e defender a harmonia entre todos os seres vivos, garantindo assim – às gerações presentes e futuras – qualidade de vida ambiental, social, económica, cultural.

A ADAL contribui também para homenagear o planeta Terra, difundindo informação que proporcione um  conhecimento mais vasto possível sobre a defesa do Ambiente, do Património e da Qualidade de Vida no Município de Loures, de modo que estas possam adoptar, de forma consciente e esclarecida, pelas melhores práticas, e exercer os respectivos direitos e deveres civis e constitucionais.

Hoje, no DIA DA TERRA relembramos dois temas ambientais causa da ADAL:

  • Paul das Caniceiras

É uma das mais interessantes zonas húmidas da região de Lisboa, com um ecossistema rico, mas sensível e extremamente ameaçado, localizado na Várzea de Loures, na freguesia de Santo Antão do Tojal.

Com cerca de 14 hectares, é um importante refúgio para diversas espécies de aves aquáticas e peixes de água doce, algumas em perigo de extinção, com destaque para a presença da “Boga de boca arqueada de Lisboa”.

Desde 2018 que a ADAL promove um conjunto de diligências junto dos órgãos municipais visando a classificação do Paul das Caniceiras como Área Protegida de Âmbito Regional/Local.

  • Frente Ribeirinha do Tejo

O Município de Loures tem 5,5 Km de frente de rio, no estuário do Tejo. Cerca de metade da população do concelho de Loures vive na proximidade da frente ribeirinha que tem todas as condições para se transformar numa nova zona de recreio e lazer do nosso concelho.

Esta é a única área do território incluída na Rede Natura 2000, estando, de certa forma, protegida, ao abrigo das Directivas Aves e Habitats, da União Europeia.

A ADAL vem tornando públicas as suas preocupações com a situação desta zona – um espaço de elevada nobreza e valor ambiental – e exigindo a elaboração de um Plano de Ordenamento para a Frente Ribeirinha do Tejo, como instrumento de gestão sustentável do território e alavanca de protecção ambiental e de desenvolvimento económico equilibrado.

A ADAL tem assumido, ao longo dos anos, a Frente Ribeirinha do Tejo como uma causa sua, para que seja causa de todos, com a assinatura: LOURES TAMBÉM TEM TEJO!

E neste DIA da TERRA, o nosso ECO-ALERTA adquire um sentido ainda mais oportuno. Colabore também e apresente a sua denúncia, queixa ou proposta para proteger o património ambiental e cultural de Loures! Envie-nos as suas mensagens para adaloures@gmail.com.

Comemorar para consciencializar!

Para que os dias passem de palavras nos calendários e ganhem um sentido E/Afetivo.


ECO Alerta: Árvores de Interesse Público

O programa ” Um bom ambiente “, da Rádio Horizonte FM 92.8, é um espaço de entrevistas, dicas e alertas que informa e sensibiliza para cuidarmos do nosso planeta.

A ADAL dinamiza a rubrica semanal ECO-Alerta.

Recordamos o ECO Alerta ADAL: ÁRVORES DE INTERESSE PÚBLICO, com destaque para a oliveira milenar de Santa Iria de Azóia.

As árvores, seres vivos com riqueza, diversidade e características únicas, têm atributos múltiplos na preservação ambiental.

O ensombramento, as flores/frutos/sementes, a madeira/resina/casca, mas também a regularização da temperatura, a biodiversidade, a redução da poluição sonora e do ar, a melhoria das condições dos solos, atingindo ainda particularidades muito relevantes como serem produtoras de oxigénio e sumidouros de dióxido de carbono, contribuindo fortemente para a descarbonização.

E para lá destas qualidades, a história das árvores também se conta a partir da sua idade, tamanho, beleza, e adquire uma riqueza ainda maior quando a sua história tem ligações às pessoas e ao território.

Também no Concelho de Loures há exemplares classificados enquanto Arvoredo de Interesse Público, classificação esta restrita a espécies do Continente e feita pela Autoridade Florestal Nacional (AFN), com base na longevidade, no porte, no desenho e na raridade das árvores, mas também em motivos históricos e culturais.

A ADAL recorda aqui a Oliveira Milenar. Situada no Bairro da Covina, em Santa Iria da Azóia, no que resta de um antigo olival próximo das ruínas do castelo de Pirescouxe. Esta oliveira bravia, localizada em propriedade privada, mas de livre visita, foi – em 2011 – certificada com uma idade aproximada de 2850 anos.

A idade foi determinada através de um método inovador de datação de árvores antigas – que permite estimar a idade de qualquer árvore, mesmo que esta se apresente oca no seu interior, e que não obriga ao seu abate, nem provoca lesões que comprometam a sua saúde – desenvolvido por um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Fica a sugestão da ADAL para uma visita.

A longevidade e imponência desta árvore merece a nossa atenção, protecção e valorização!

Frente Ribeirinha do Tejo em destaque no ECO-Alerta

O ECO Alerta assinado semanalmente pela ADAL, na rádio Horizonte FM 92.8, continua a promover “Um bom ambiente”, através de alertas e dicas para atitudes mais informadas e conscientes.

Esta rubrica ADAL é emitida à sexta-feira às 9h30, com repetição às 17h30.
Recordamos nesta edição o ECO Alerta relativo à Frente Ribeirinha do Tejo:

O Município de Loures tem 5,5 Km de frente de rio, no estuário do Tejo. Mais de 44 mil habitantes moram nas proximidades. São cerca 22,5% do total da população do concelho!

Esta é a única área do território incluída na Rede Natura 2000, estando, de certa forma, protegida, ao abrigo das Directivas Aves e Habitats, da União Europeia.

A ADAL tem assumido, ao longo dos anos, a Frente Ribeirinha do Tejo como uma causa sua, para que seja causa de todos.

Através da tomada de Posições Públicas ou de contactos com as instâncias políticas e autoridades locais, várias têm sido as diligências da ADAL com o intuito de encontrar soluções para os problemas da desqualificação territorial, ambiental e económica da Frente Ribeirinha do Tejo em Loures

Sempre exigimos uma intervenção mitigadora dos impactos das actuais actividades neste território, auspiciando o usufruto pelas populações e a valorização do património natural que lhe está associado, nas suas diferentes dimensões: económica, lúdica, ambiental, turística.

Defendemos a elaboração urgente de um Plano de Ordenamento, enquanto instrumento de gestão sustentável do território e alavanca de protecção ambiental e de desenvolvimento económico sensato.

Aguardamos que os projectos em desenvolvimento pela Câmara Municipal de Loures sejam concretizados e reconduzam a Frente Ribeirinha do Tejo em Loures a efectivo desenvolvimento sustentável, harmonioso e equilibrado.

ECO Alerta I na Horizonte FM 92.8 – O Paul das Caniceiras

No primeiro Eco Alerta na Horizionte FM 92.8, a ADAL sugeriu a descoberta de um local único na Área Metropolitana de Lisboa: o Paul das Caniceiras.

Localizado na Várzea de Loures, na freguesia de Santo Antão do Tojal, o Paul das Caniceiras é uma das mais interessantes zonas húmidas da região de Lisboa, com um ecossistema rico, mas sensível e extremamente ameaçado.

Trata-se de uma zona de terrenos alagadiços  – com cerca de 14 hectares –  e que é um importante refúgio para diversas espécies de aves aquáticas e peixes de água doce, algumas em perigo de extinção,  com destaque para a presença da “Boga de boca arqueada de Lisboa”, uma espécie descoberta já neste século.

Salvaguardar, proteger e requalificar o Paul das Caniceira é um dos alertas da ADAL à sociedade civil e aos poderes públicos, defendendo a sua urgente declaração como área protegida de âmbito local, em prol da biodiversidade e em nome do interesse colectivo ambiental, social, pedagógico e económico.

Paul das Caniceiras