Dia Internacional dos Museus 2020

O Dia Internacional dos Museus foi comemorado pela primeira vez há 40 anos, numa celebração que tem vindo a observar uma crescente adesão de Museus em todo o mundo.

Neste ano o mote das celebrações é “Museus para a Igualdade: Diversidade e Inclusão”, chamando a atenção para o seu papel no esforço de intercâmbio cultural, enriquecimento de culturas e desenvolvimento de entendimento mútuo, a cooperação e a paz.

Nos dias que correm, em que tantas desigualdades e injustiças se observam, de forma agravada, no mundo e no nosso país, estes espaços de preservação, valorização e divulgação das memórias colectivas não podem estar alheios às realidades sociais, promovendo o conhecimento e a compreensão das razões históricas, políticas e sociais que as contextualizam, tanto no passado como na actualidade.

Esta função e responsabilidade impõe-se particularmente aos Museus Municipais, pela relação de proximidade relativamente à comunidade em que se inserem.

Neste Dia Internacional dos Museus 2020, a ADAL saúda o importante papel social e cultural dos Museus, em geral e dos Museus Municipais, em particular, assinalando o esforço que estes últimos têm vindo a fazer para os desígnios da inclusão e do respeito pela diversidade cultural.

Aproveitamos igualmente para assinalar que, relativamente a preocupações/sugestões no quadro da pandemia causada pelo COVID-19, um dos aspectos que a ADAL referiu numa comunicação enviada à Assembleia Municipal no passado mês de Abril, foi a necessidade de se proceder à identificação e adopção de medidas que permitam a reabertura e funcionamento, logo que possível e de acordo com as recomendações das autoridades de saúde, dos equipamentos culturais municipais, designadamente os museus municipais e sítios patrimoniais de referência em condições de segurança para todos.

Foi, por isso, com satisfação que tomámos conhecimento da reabertura dos Museus Municipais neste dia 18 de Maio, acompanhando a decisão que, a nível nacional, retoma a importante função destes espaços públicos no plano da Cultura e do Conhecimento.

Perspectivando o desconfinamento, mas atendendo sempre às regras em vigor para prevenção e mitigação dos riscos de contágio, relembramos os museus e núcleos museológicos de Loures, para uma futura visita:

  • Museu de Cerâmica de Sacavém
  • Museu do Vinho e da Vinha  – Bucelas
  • Museu Municipal de Loures – Quinta do Conventinho
  • Núcleo Museológico Casa-Museu José Pedro – Sacavém
  • Núcleo Museológico da Igreja Matriz de Bucelas
  • Núcleo Museológico Luís Serra (Grupo Musical e Recreativo da Bemposta)
  • Núcleo Museológico Mário Roberto (Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Bucelas)
  • Centro de Interpretação das Linhas de Torres – Bucelas
  • Sitio Arqueológico de Frielas

ADAL PREPARA LANÇAMENTO DE UMA PETIÇÃO | CONVENTO DE NOSSA SENHORA DOS MÁRTIRES E DA CONCEIÇÃO DOS MILAGRES, DE SACAVÉM

O Convento de Nossa Senhora dos Mártires e da Conceição dos Milagres, de Sacavém por indicação de Miguel de Moura, escrivão de D. Sebastião, foi construído no século XVI, sobre ruínas de um outro templo edificado no século XII, em pleno reinado de D. Afonso Henriques.

Do seu património, em permanente risco de completa destruição e furto, salientamos azulejos dos séculos XVI, XVII e XVIII.

Os efeitos danosos causados pelas centenas de anos de vida deste exemplar do nosso património, aliados aos danos provocados pelo abandono a que esteve sujeito, conduziram-no a um estado de destruição que a ADAL por diversas vezes tem vindo a denunciar, quer através de Posições Públicas, quer no âmbito do Positivo e Negativo do Ano, como sucedeu este ano.

Porque corre o sério risco de ficar completamente destruído, consideramos que se justifica a dinamização de um movimento de opinião da população do Concelho de Loures e da cidade de Sacavém, em particular, para a salvaguarda e valorização do Convento de Nossa Senhora dos Mártires e da Conceição dos Milagres.

Esta é a finalidade da petição que a ADAL tenciona divulgar proximamente, e que será enviada à Senhora Ministra da Cultura, para que o Estado desenvolva todas as providências necessárias e ao seu alcance, para a classificação patrimonial do Convento.

DGPC pondera classificação do Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém

A ADAL que tomou a iniciativa de denunciar o estado de lastimoso abandono e destruição em que se encontra o Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém, teve oportunidade de acompanhar a visita ao imóvel de um técnico especializado da Direcção Geral do Património Cultural.

Na ocasião houve oportunidade de se evidenciar a importância histórica e cultural do imóvel, bem como a relevância para a Cidade e o superior interesse colectivo de ser recuperado, beneficiado e classificado, para a sua valorização futura e consequente valorização de Sacavém.

Bloco de Esquerda interpela Ministério da Cultura sobre o Convento dos Mártires e da Conceição

A ADAL regozija-se pela concretização de um dos objectivos máximos da rúbrica Positivo & Negativo do Ano. Ao evidenciar aspectos negativos no âmbito do Ambiente e do Património, o intuito é a reversão da situação.  

Na sequência da menção negativa ao Ministério da Cultura, no âmbito do Património, pelo “Estado de abandono do Convento dos Mártires e da Conceição em Sacavém” a ADAL captou a atenção dos partidos políticos e das entidades públicas.

O Grupo Parlamentar Bloco de Esquerda questionou o Governo sobre o Convento dos Mártires e da Conceição:

Pergunta

O Convento dos Mártires e da Conceição, em Sacavém, freguesia de Sacavém e Prior Velho, no concelho de Loures, pertencia à Ordem dos Frades Menores (Ordem de São Francisco), e estava situado na antiga freguesia de Nossa Senhora da Purificação de Sacavém, então concelho dos Olivais.

Foi fundado por D. Brites da Costa, viúva de Miguel de Moura, por testamento de 15 de novembro de 1607, deixando também bens à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Foi extinto por decreto de 20 de janeiro de 1877.

A única religiosa existente no convento, soror Ana Delfina de Jesus, foi autorizada pelo mesmo diploma, a seu pedido, a mudar-se para o Convento de Santa Ana de Lisboa. Após a saída da religiosa, a Fazenda tomou posse do edifício e anexos.

Segundo o relatório anual da ADAL – Associação de Defesa do Ambiente de Loures – relativo a 2018, o Convento dos Mártires e da Conceição encontra-se atualmente em amplo estado de decadência e prestes a ser “sufocado” por mais uma urbanização.

Atendendo ao exposto, e ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda vem por este meio dirigir ao Governo, através do Ministério da Cultura, as seguintes perguntas:

1. Tem o governo conhecimento da situação descrita?

2. Existe algum plano de reabilitação e reanimação cultural para o Convento dos Mártires e da Conceição?

3. Em caso afirmativo, quando será iniciado esse plano e quando entrará em funcionamento?

4. Em caso negativo, o que pretende o Governo fazer para travar a degradação deste imóvel centenário?

5. No imediato, estão previstas obras de recuperação e reabilitação do Convento dos Mártires e da Conceição? Quando terão início e quando se prevê que estejam finalizadas?

Por seu lado, a DGCP respondeu

Que irão efetuar uma visita técnica ao local para determinar o valor cultural do Convento, uma vez que o imóvel não está classificado e que não está abrangido por nenhuma servidão do património cultural.

Recordar que no presente o Convento dos Mártires e da Conceição é propriedade do Banco Montepio.