Causa da ADAL | Aquedutos de Santo Antão do Tojal e Rua dos Arcos

Na sequência de contactos promovidos no primeiro trimestre de 2018 pela ADAL, junto do Partido Ecologista Os Verdes, para apresentação das causas da ADAL Paul das Caniceiras e Aqueduto de Santo Antão do Tojal e Rua dos Arcos, designadamente reunião a 15 de Fevereiro e visita aos locais no dia 5 de Março, os deputados José Luís Ferreira e Heloísa Apolónia remeteram ao Governo / Ministério da Cultura, em 16 de Abril de 2018, através do Presidente da Assembleia da República, um pedido de esclarecimento sobre as seguintes questões:

  1. Quais os motivos que levaram ao congelamento da verba prevista para as obras de conservação e recuperação do Aqueduto de Santo Antão do Tojal?
  2. Que diligências foram desenvolvidas no sentido da requalificação deste monumento?
  3. Quando prevê o Governo que seja iniciada a intervenção de requalificação dos Aquedutos?
  4. Qual o tempo previsto para essa requalificação?

O Aqueduto de Santo Antão do Tojal, construído em 1728, tem uma extensão de cerca de dois quilómetros, e mais de 90 arcos, está classificado como Imóvel de Interesse Público. Em 1991, foi objecto de um restauro pela então Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais, num processo a concluir em 2000.  No entanto, esse processo nunca foi concluído.

A ADAL aguarda, com expectativa, a posição da nova Ministra da Cultura, Graça Fonseca, sobre este notável exemplar da arquitectura barroca. E promete não abandonar esta causa!